Home / Fundamentos

Fundamentos

Cada esporte tem seus fundamentos técnicos que são os movimentos básicos da modalidade os quais uma pessoa precisa se apropriar ou aprender para ter condições de jogar. Todas as modalidades esportivas possuem fundamentos técnicos sendo que em algumas delas embora o nome seja comum, a forma de execução é diferente, o que caracteriza a forma de jogo de cada uma delas. A seguir descreveremos os fundamentos do Handebol.

Passe: É a ação de enviar a bola para um atleta da mesma equipe de forma que ele consiga recepcionar e executar outra ação. Um passe executado corretamente coloca o companheiro em condições favoráveis de executar outra ação como, por exemplo, arremessar em direção ao gol adversário. Os tipos de passes podem ser classificados da seguinte maneira:

  • Passes acima do ombro: podem ser realizados em função da trajetória da bola para frente ou oblíquo, sendo que ambos podem ser: retificado ou bombeado.
  • Passes em pronação: Lateral e para trás.
  • Passes por de trás da cabeça: lateral e diagonal.
  • Passes por de trás do corpo: lateral e diagonal.
  • Passe para trás: na altura da cabeça com extensão do pulso.
  • Passe quicado: quando a bola toca o solo uma vez antes de ser recepcionado pelo companheiro. Nesse tipo de passe a bola é atirada ao solo em trajetória diagonal.

Greco & Ribas (1998) apresentam o passe em trajetória parabólica.

Recepção: É a ação de receber a bola passada por um companheiro de equipe. Uma boa recepção depende da qualidade que o passe é feito. De acordo com a forma como a bola foi passada, a recepção pode variar. A princípio deve ser feita sempre com as duas mãos paralelas e ligeiramente côncavas voltadas para frente. Embora a literatura específica sobre o método parcial considere que recepcionar a bola com uma das como um erro, a prática atual e sua eficiência em diversas situações têm nos dado os elementos necessários para indicarmos o ensino e treinamento da recepção com uma das mãos como um elemento necessário para o jogo de handebol de acordo com a situação. A recepção pode ser classificada em: alta, média e baixa dependendo da altura que a bola seja recepcionada. Sendo assim, a forma de recepcionar a bola varia de acordo com o tipo de passe que é realizado pelo companheiro de equipe.

Empunhadura: É a forma de segurar a bola com uma das mãos. Para uma boa empunhadura, a bola deve ser segura com as falanges distais dos cinco dedos bem afastados entre si e a palma da mão ligeiramente côncava. Os dedos devem estender-se sobre a maior superfície possível da bola, e devem exercer força (pressão) na bola para que ela esteja bem segura. A pressão exercida pelos dedos polegar e mínimo é muito importante para o uma boa empunhadura.

Arremesso: É a ação realizada sobre a bola em direção à meta adversária na tentativa de realizar o gol. A maioria dos arremessos pode ser denominada “de ombro” e seguem basicamente a mesma descrição de movimento a seguir: a bola deve ser empunhada, palma da mão voltada para frente, cotovelo ligeiramente acima da linha do ombro, a bola deve ser levada na linha posterior a da cabeça e no momento do arremesso ser empurrada para frente com um movimento de rotação do úmero.

Os arremessos podem ser classificados em função da forma de execução:

  • Com apoio – um dos pés do arremessador ou ambos em contato com o solo.
  • Em suspensão – no momento do arremesso não há contato do arremessador com o solo.
  • Com queda – O arremessador realiza uma queda após a bola ter deixado sua mão. Geralmente a queda acontece dentro da área adversária e de frente. Esse tipo de arremesso é comum entre os pivôs e eventualmente entre os pontas.
  • Com rolamento – O arremessador realiza um rolamento após a bola ter deixado sua mão. Na maioria das vezes nesse tipo de arremesso ocorre um rolamento de ombro. Este tipo de arremesso é comum entre os pontas e eventualmente por pivôs.

Progressão: São as diversas formas utilizadas para se deslocar durante o jogo quando a equipe está de posse da bola. Pode ser realizada, por exemplo, por meio do drible.

Drible: É a ação de bater a bola contra o solo com uma das mãos estando o jogador parado ou em movimento. O drible permite ao jogador deslocar-se estando com a posse da bola variando trajetória e direção.

Fintas: São as mudanças de direção realizadas pelo jogador que, estando de posse de bola, procura evitar a ação do defensor.

Ritmo Trifásico – Popularmente conhecido como “3 passos”, é considerado pela literatura específica do método parcial como um fundamento onde o jogador dá três passos à frente e em direção a meta adversária com a posse da bola. O mais prático a ser feito para uma boa execução é que inicie com a perna contrária ao braço do arremesso, porém pode haver variação na forma de execução, podendo começar e iniciar o movimento com a perna equivalente ao braço de arremesso, haver uma repetição entre primeira e segunda ou segunda e terceira passada, uma vez que a regra do Handebol não limite a ação para a execução do fundamento, a não ser a quantidade máxima de passos. Além disso, cada atleta tem a sua forma mais eficiente de realizar o movimento e também pode se adequar a situação do jogo no momento.

Duplo Ritmo Trifásico – Popularmente conhecido como dupla passada ou sete passos é considerado pela literatura específica do método parcial como um fundamento onde o jogador dá “sete” passos com a posse da bola. Os três primeiros passos (ou contatos com o solo) são dados imediatamente após ter recebido a bola e simultaneamente na execução do quarto passo o jogador terá que driblar uma vez, tornar a empunhá-la e dar mais três passos com a bola. Ao final do sétimo passo ele terá obrigatoriamente que passar ou arremessar a bola. É indicado que o primeiro passo deverá ser executado com a perna contrária ao braço que realizará o arremesso, podendo haver variações quanto ao início ou sequencia das passadas.